Vinicius Siqueira é editor do Blog da JNakao.

Sempre que iniciamos um projeto em marcenaria, consideramos que a montagem seja a parte complicada e delicada de sua  execução. Não importa o que estejamos fazendo, seja um móvel ou uma cabana, acabamos deixando que o bicho papão da montagem preencha nossa mente.

No entanto, há uma fase também importantíssima do fazer em madeira: o acabamento. É neste momento que a identidade do produto feito é construída, é neste momento que ele ganha vida e deixa de ser só um remendo de peças de madeira ou MDF.

Mas qual tipo de lixadeira elétrica utilizar? Você sabe que se usar um modelo errado poderá retirar muito mais material que o necessário? Se usar um modelo muito leve, ficará o dobro do tempo trazendo e levando a máquina para todo lugar.

Vamos entender o que cada modelo faz. São três modelos principais para marceneiros:

Lixadeira orbital

São máquinas de pequeno porte, leves, com base quadrada e produzem pouco pó.

O movimento característico das lixadeiras orbitais é, como o próprio nome indica, de órbita. O que é esse movimento de órbita? É aquela famosa tremida rápida e imperceptível que a máquina faz sobre a madeira, retirando pouco volume de material.

É por conta de sua capacidade limitada de desbaste que essas lixadeiras são perfeitas para pequenos acabamentos e para lixar cantos. Ótimas para MDF, material já tratado no blog do Fazedores.

Agora, vamos ver o segundo modelo, que une as características da orbital e soma com algumas novidades.

Lixadeira roto orbital

As roto orbitais são máquinas também leves e pequenas, assim como as orbitais, mas com base circular. Qual é a diferença entre a base quadrada e a circular? Os movimentos exercidos pela base circular são de órbita, assim como do modelo de lixadeira já citado, somados a movimentos de rotação.

Com esta soma de movimentos, a lixadeira roto orbital consegue desbastar mais volume de material do que a lixadeira orbital, sendo importante para acabamentos finais em que é necessário retirar marcas e desníveis.

É uma ferramenta versátil, quase sempre encontrada em oficinas de marcenaria profissionais ou hobby.

Agora, vamos tratar do último modelo de lixadeira, o mais robusto. Veja abaixo.

Lixadeira de cinta

Ao contrário das lixadeiras anteriores, que acompanham folhas de lixa para trabalhar, a lixadeira de cinta precisa de cintas de lixa. Seu movimento também não é de base circular ou orbital, mas é de rotação da cinta sobre dois eixos.

Aqui você já percebe que a lixadeira de cinta tem mais capacidade para desbaste do que as duas anteriores. O movimento de sua lixa é rápido e potente, o volume de material retirado por passada é incrivelmente maior que de qualquer lixadeira para acabamento.

É por isso que as lixadeiras de cinta são utilizadas em desbaste grosso, em peças exageradamente desniveladas ou com muitas falhas. Realmente, esta máquina foi feita para desbaste, não para acabamentos.

A escolha

É perceptível que o modelo mais versátil é o roto orbital, que pode fazer leves desbastes ou acabamentos. As lixadeiras de cinta e roto orbitais são ligadas a trabalhos mais específicos, que exigem funcionamentos particulares.

Sendo assim, se você não sabe ao certo qual lixadeira ter por perto, a roto orbital acaba sendo a saída mais racional, entretanto, é sempre notável a necessidade de se saber o serviço a ser executado. Só assim você poderá escolher a máquina ideal para seu trabalho.

About the author
1 Comment
  1. Muito boa matéria! Quero aprender marcenaria e não tinha idéia de qual lixadeira adquirir primeiro 🙂

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

clear formSubmit