The Things Network – Objetivo

O objetivo desse projeto é trazer para o Brasil a rede pública, gratuita e aberta de Internet das Coisas criada em Amsterdã com financiamento coletivo, chamada The Things Network (http://thethingsnetwork.org/), que teve apoio dos cidadãos e empresas da cidade e em apenas 6 semanas cobriu a cidade inteira.

Com uma rede dessas sensores e dispositivos espalhados pela cidade inteira podem enviar e receber dados gratuitamente.

The Things Network – MISSÃO

A missão da rede que nasceu em Amsterdã e foi fundada pelo empreendedor holandês Wienke Giezeman, é prover ao mundo todo uma rede gratuita de conectividade das coisas. A rede permite que os objetos transmitam dados entre si e com a Internet.

A The Things Network é a primeira rede sem fio do tipo a usar a nova tecnologia de longo alcance, baixa potência e largura de banda chamada LoRa (criada e mantida pela LoRa Alliance) para cobrir uma cidade inteira conectando objetos como barcos, lixeiras, bicicletas, iluminação pública. Diferentemente de outros projetos de SMART CITIES (Cidades Inteligentes), ela foi inteiramente financiada pelos cidadãos de Amsterdã e foi criada em apenas 6 semanas, sem usar 3G/4G ou WiFi.

Os criadores da The Things Network acreditam que com uma rede pública e aberta, a inovação e a criação de novos negócios irão florescer (criando empregos na cidade) pois a conectividade é hoje o maior obstáculo para tornar viável a maioria dos projetos de Internet das Coisas.

Na era da Internet das Coisas, quem controlar a rede irá controlar o mundo. Acreditamos que esse poder não pode estar restrito a poucas pessoas, empresas ou nações. Pelo contrário, a rede deve estar distribuída pelo maior número de pessoas sem a possibilidade de ser tomada por ninguém.

Uma corrida de 6 semanas

Wienke teve a ideia de criar a rede Things Network há apenas 6 semanas (leia a história) atrás quando percebeu que com uns 10 gateways LoRa, que custam 1000 euros ele poderia cobrir Amsterdã inteira. Ele apresentou a ideia em um Meetup de Internet das Coisas na cidade e recebeu uma resposta positiva com a adesão de vários colaboradores.

Começou então a criar a rede comunitária que desenvolvedores podem usar de forma aberta e gratuita. Empresas como a The Next Web e a firma de auditoria KPMG concordaram em hospedar gateways em seus prédios. Obteve também o apoio da Prefeitura de Amsterdã que ficou muita empolgada com a ideia. A empresa Deloitte, além de apoiar a iniciativa deu suporte técnico e jurídico a rede.

Com a nova tecnologia é possível construir a rede de internet das coisas sem 3G ou WiFi. Ela tem um alcance maior do que o WiFi (cerca de 10 kilômetros) e não necessita de um plano de assinatura mensal, como o 3G. Além disso o consumo de energia é muito baixo, o que permite que os dispositivos possam ficar até 3 anos com uma única carga de bateria.

Alcance Global.

Agora os fundadores da rede querem ir além de Amsterdã e alcançar o mundo todo. Várias cidades do mundo estão iniciando a implantação da rede e a meta é ousada. Em apenas um ano estender a rede ao mundo inteiro.

Vejam todas as cidades no mundo que já estão com projetos em execução.

Apesar do custo dos gateways não ser elevado, será iniciado em Outubro um outro projeto de financiamento coletivo no Kickstarter para a criação de um gateway de baixo custo e fácil instalação, que poderá ser produzido em escala e comprado por qualquer pessoa que queira colaborar com a rede. Todo o código, firmware, desenho e conhecimento para a produção desse produto será open source. Dessa forma qualquer um poderá recriar um produto semelhante em qualquer lugar do mundo.

Agora é a vez de São Paulo! Vamos apoiar!

Assim que fiquei sabendo do projeto por meio do Internet of Things Council, eu me prontifiquei a ajudar a trazer o projeto para São Paulo.

O componente principal da rede são os gateways LoRa que fazem a ponte entre os nós da rede (sensores) e a Internet. Existem duas opções para gateways:

  • Usarmos gateways LoRa comerciais fornecidos por empresas como Kerlink e Multitech.
  • A outra alternativa é construirmos os nossos próprios gateways makers (opção DIY – Do-it-yourself) como outras pessoas já estão fazendo no mundo, usando Raspberry Pi

 

Iremos testar as duas alternativas acima. Compramos gateways comerciais da Multitech e vamos também construir nossos gateways com Raspberry Pi.

Componentes para a construção da rede (gateways e sensor nodes):

Gateway Maker com Raspberry Pi:

Como eu pode contribuir com o projeto?

Existem várias formas de contribuição:

  1. Apoiando tecnicamente o projeto, contribuindo de alguma forma na realização do protótipo e posterior expansão para a cidade. Precisamos de apoio de Makers com experiência em Hardware (Arduino, Raspberry Pi) e Software (embarcado e Web) e Designers.
  2. É desenvolvedor de hardware e software e tem (ou pode comprar) os componentes para a construção de um gateway? Construa o seu gateway com o nosso apoio e ajude a aumentar a rede. Veja aqui uma das formas de fazer.
  3. Hospedando um gateway em sua residência ou empresa para realizarmos a cobertura na cidade.
  4. Sugerindo casos de uso que podem ser viabilizados com a nova rede. Poste sua ideia aqui no Garagem Fazedores de aplicações que usem a The Things Network.
  5. Leve para a sua cidade. Precisamos de pessoas dispostas a trabalhar para levar a rede para todas as cidades do Brasil!

 

Informações adicionais.

Wikipedia: A LoRaWAN™ wide area network allows low bit rate communication from and to connected objects, thus participating to Internet of Things, machine-to-machine M2M, and smart city. This technology is standardized by the LoRa™ Alliance. It was initially developed by Cycleo, which was acquired by Semtech in 2012.LoRaWAN™ is an acronym for Long Range Wide-area network.

LoRa™ Alliance is an open, non-profit association of members that believe the internet of things era is now. Our mission to standardize Low Power Wide Area Networks (LPWAN) being deployed around the world to enable Internet of Things (IoT), machine-to-machine (M2M), and smart city, and industrial applications. The Alliance members will collaborate to drive the global success of the LoRa protocol (LoRaWAN™), by sharing knowledge and experience to guarantee interoperability between operators in one open global standard.

The LoRa™ name and associated logo and the LoRaWAN™ name are trademarks of Semtech Corporation and used under license.

Informações de Contato:

Esclarecimentos? Sugestões? Voluntários para ajudar no projeto? Estou a disposição pelos seguintes meios:

About the author
1 Comment
Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

clear formSubmit